CIDADE DOS ETÉREOS (2º livro da série o orfanato das crianças peculiares) - Ransom Riggs

01/08/2016 23:30

Resenha de Cidade dos etéreos

 

Caso você não tenha lido o primeiro livro da série, informo que essa resenha pode conter spoiler de O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares. E, se quiser conferir a resenha do primeiro livro da trilogia é só clicar aqui Resenhas

 

  Título: Cidade dos etéreos

  Autora: Ransom Riggs

  Editora: Intrínseca

  Páginas: 358

  Classificação da leitura:

 

 

 

Cidade dos etéreos inicia no exato momento que parou o primeiro livro. Algumas crianças peculiares estão no barco tentando fugir dos acólitos.  Digo algumas crianças e não as crianças porque notei que faltaram algumas crianças e não sei o que aconteceu com elas, como os meninos de rostos cobertos que aparecem no primeiro livro, mas não estavam no final do mesmo.  Deduzi que eles ficaram na fenda e não foram atrás do grupo que estava com o Jacob; mas, enfim aquele grupo do final do primeiro livro estará de volta neste livro.

 

Os peculiares passarão por inúmeras aventuras com a Srta. Peregrine em formato de ave. Lembram que ela não estava conseguindo voltar ao formato humano no final do primeiro livro? Pois é, as crianças precisarão encontrar uma outra ymbryne para que a Srta. Peregrine possa ser transformada novamente em humana. Porém, os acólitos sequestraram todas as ymbrynes. Então, parece um caso sem solução.

 

Após passarem algumas horas navegando sem destino elas adentrarão em uma floresta. Isso acontecerá na calada da noite; e, a escuridão e o cansaço físico tornará tudo muito mais difícil. Os peculiares se veem perdidos, sem saber que rumo tomarem. E etéreos aparecem o tempo todo, então eles passarão o livro todo correndo. Confesso que esse corre-corre me cansou um pouco e eu pensava “ah não, outro etéreo”; mas, mesmo assim gostei bastante da leitura.

No meio da floresta, perdidos, fugindo de acólitos e matando etéreos eis que surge algo inesperado: eles descobrem uma outra fenda temporal.  A descoberta da fenda é algo bastante curioso e lógico também (mas deixarei que leiam para saberem). E ao entrarem lá eles não encontram outras crianças peculiares (como imaginado); mas, algo mais do que surreal – animais peculiares, sim eles existem!

 

Separei estas fotos para que vejam um pouco do livro por dentro e dos animais peculiares.

 

Após conversarem com os animais, as crianças descobrirão que ainda existe uma ymbryne livre; e, que ela está em Londres, em meio à guerra. A única forma de ajudar a Srta. Peregrine é encontrar essa ymbryne; mas, ir até Londres nas circunstâncias atuais seria como ir ao encontro da morte.

Apesar de tudo ser contra ao sucesso da missão, os peculiares irão tentar de tudo para ajudar aquela que para eles é como uma mãe.

 

“... podemos até perder a Srta. Peregrine, isso é incontestável, mas se não tentarmos, se não formos até lá, com certeza vamos perdê-la, e os acólitos muito provavelmente vão nos pegar de qualquer jeito!” (Pág.100)

 

O que eu mais gostei nesse livro é que podemos conhecer os peculiares individualmente, não é somente a história do Jacob e da Emma que ganha ênfase na narrativa, mas cada peculiar tem o seu espaço. Conhecemos um pouco mais da inocência de Olive (a menina que flutua), da bondade de Bronwyn (a adolescente forte), da inteligência de Millard (o garoto invisível), do mau humor de Enoch (menino capaz de dar a vida por algum tempo), da liderança de Emma (adolescente que lança fogo pelas mãos), dentre outros.

Outros novos peculiares também irão surgir, alguns ficarão pelo caminho (espero que saibamos sobre eles no último livro da série), outros irão somar ao grupo.

 

Próximo ao final do livro surgirá um elemento surpresa: um personagem citado no primeiro livro aparecerá e mudará tudo. Realmente surpreendente! O livro termina sem um fim, pois haverá o último livro da série que já está em pré-venda e terá o lançamento oficial ainda neste mês (agosto/2016), para saber mais sobre o último livro da série é só clicar aqui em Lançamentos

 

O casal Jacob e Emma não funciona muito bem. Se você, como eu, ama romance - não espere sentir borboletas no estômago como esta leitura, porque, por mais que o autor tenha tentado aflorar o romance entre os personagens; não fluiu. E, ficou bem claro qual é o objetivo do Jacob na vida peculiar.

 

Como ocorreu no primeiro volume há muitas fotos interessantes e sinistras no livro; e, as fotos são reais, pouquíssimas tiveram montagem. No primeiro livro o autor, Ransom Riggs, escreveu a história com base nas fotos que tinha. Agora, o desafio foi outro: continuar a história e encontrar fotos que a ilustre. E, ele conseguiu com a mesma genialidade que demonstrou no primeiro livro, a arte visual está bem bacana.

 

A edição da intrínseca está muito bonita, o livro é em capa dura!

 

Quem curte uma história com ação, aventura e mistério irá gostar de Cidade dos Etéreos.

Obs. A palavra etéreo significa elevado, sublime; a palavra acólito significa ajudante, aquele que auxilia.